Perfil do produtor

Rosa e Miguel Ferro - Ideia Rural
Alface
Agrião
Coentros
Nabiça
Rúcula
Rabanete
Salsa

A Rosa e o Miguel têm um percurso atípico comparado ao da maioria dos outros agricultores: começaram na agricultura em 2014 por iniciativa própria. Foram criados no campo, mas os seus pais nunca trabalharam na agricultura. Desta feita, foram os filhos que fizeram os pais passarem a ser agricultores e actualmente ajudam-nos a cuidar dos seus 3600m² de estufas.

A Rosa e o Miguel são apaixonados pela hidroponia - modo de produção sem solo onde as plantas recebem os nutrientes necessários ao seu desenvolvimento através de um circuito de água fechado. O seu sistema funciona com 5 reservatórios onde diferentes adubos em pó são diluídos em água e enviados para as plantas em função da análise automática do que precisam. A água nunca é retirada do ciclo, apenas se gasta por absorção ou evaporação.

Para montarem este sistema, a Rosa e o Miguel tiraram um curso sobre cultura sem solo e outro sobre gestão de empresa agrícola, obrigatório pelo programa de desenvolvimento rural (ProDer) do qual receberam apoios. Leram também muita documentação sobre a hidroponia no Brasil, onde está bastante desenvolvida, e adaptaram-na ao clima português. Adoram o desafio tecnológico que lhes proporciona a agricultura hidropónica e estão sempre a tentar evoluir, como diz a Rosa, "é por tentativa/erro". Segundo eles, enquanto uma alface na terra demora 60 dias para crescer, na hidroponia são apenas necessários 30 dias.

O Miguel e a Rosa lançaram-se na hidroponia ao mesmo tempo que a Filipa Silva, outra agricultora com quem trabalhamos e que nos apresentou. Produzem principalmente alface frisada, lisa e roxa, mas também alface multi-folhas, baby leaf, coentros, salsa, rúcula e couve pak choi. Vendem a maioria da sua produção (9 toneladas/mês) a um supermercado, do qual são o fornecedor exclusivo. Os produtos que vão para a Fruta Feia são as plantas mal germinadas (defeito na própria semente), as que têm picadelas de insetos, as que têm folhas mais amarelas, ou pontinhos de podridão que alteram a forma da alface uma vez retirados. Têm muita quebra durante o inverno com a alface lisa porque as folhas abrem-se em vez de ficarem fechadas a fim de captar a luminosidade. Vendem a alface ao peso para o supermercado, que lhes pede para tirarem a raiz pois pesa cerca de 40 gramas. Nós, como sabemos quantos consumidores precisamos de abastecer, compramos a alface à unidade e com a raiz pois isto permite conservá-la e aos seus nutrientes mais tempo.